?

Log in

No account? Create an account
Mundanos

April 2009

S M T W T F S
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Tags

Syndicate

RSS Atom
Powered by LiveJournal.com

Previous 10

Apr. 8th, 2009

Mundanos

Mudança do Mundanos

Amigos e Amigas,

Depois de três anos escrevendo no pelo LiveJournal estou de mudança para o Wordpress. Não é de hoje que estou descontente com o atual provedor do blog, portanto pretendo criar algo novo.

Todos estão convidados para visitar, ler e participar no novo endereço, http://munndanos.wordpress.com/ .

A base do novo blog está pronta, estou muito contente com as diversidades possíveis no Wordpress. Aos poucos, pretendo melhorar o blog ao conhecer todas as bases e ferramentas do provedor.

Abraços e até lá.
Tags:

Mar. 31st, 2009

Mundanos

Sarkozy pode deixar encontro do G-20


Sarkozy deixará encontro caso não tenha um debate real sobre a economia



Sarkozy estaria de malas prontas?

O presidente francês Nicolas Sarkozy estaria disposto a deixar o encontro do G-20 que ocorre em Londres durante essa semana. Seus principais assessores tem indicado a desde a última terça. Segundo a CNN, Sarkozy pretende deixar o encontro caso sinta que não há um real debate sobre a economia mundial, neste e nos próximos encontros.

O mandatário francês acredita que mudanças nas regras dos negócios financeiros e uma guinada nas altas taxas são pontos necessários para serem levantados na reunião. Segundo o porta-voz da presidência francesa, Jean-David Levitte sarkozy deseja ver " regras melhores e fortes",e " evitaremos que aconteça novamente" referindo-se ao recente escandâlo da segura norte-americana AIG, onde mesmo à beira da falência seus altos executivos ganharam bônus de milhões de dólares.

Economistas como o professor do MIT Simon Johnson desacreditam da possibilidade de Sarkozy sair do encontro. " Caso aconteça seria um desastre, seria levado em conta pelo mercado financeiro", revela o professor.

Todos os líderes já se encontram na capital inglesas para o encontro, inclusive o presidente Lula. Embora o destaque desta vez não seja os países emergentes e sim a presença pela primeira vez de Barack Obama como presidente dos EUA no continente europeu. Obama pretende participar ainda do encontro da OTAN na França onde discute sobre o destino da aliança, na República Tcheca com os líderes da União Européia onde discute sobre o Irã e mudança climática e visitar um velho, a Túrquia, em busca de estreitar os laços o país.

Mar. 23rd, 2009

Mundanos

O ano Z para os finlandeses na F-1

Kimi Räikkönnen e Heiki Kovalainen estão com a corda no pescoço

Mal começa a temporada 2009 da Formula 1 e a "dança da cadeira" entre os pilotos e equipes rolam nos bastidores. Os finlandeses Kimi Räikkönen (Ferrari) e Heiki Kovalainen (Mclaren) estão com os dias contados se não mostrarem serviço. Ao contrario de seus companheiros de equipe ( respectivamente Felipe Massa e Lewis Hamilton) os pilotos do país escandinavo não desempenharam o papel esperado de fiéis escuderos, e pilotoram como dois zumbis na última temporada.

Na Ferrari, mesmo sendo campeão mundial em 2007, Räikonnen tem sua vaga ameaçada por outro campeão da categoria, o espanhol Fernando Alonso. Atualmente na Renault, Alonso não deu certo na McLaren e em seu retorno à escuderia teve problemas com o carro, conseguindo entrar no eixo apenas no fim do ano. Fernando Alonso é o favorito para assumir a posição Räikkönen na temporada 2010. O alemão Sebatian Vettel e o francês Sébastien Bourdais correm por fora.


Kovalainen por sua vez está com a corda mais apertada no pescoço, sua última temporada na McLaren foi pífia. Lewis Hamilton levou a equipe e os títulos de pilotos e construtores nas costas, Kovalainen apenas viu a banda passar. O finlandes pode ser subsituido ainda em 2009 pelo piloto de testes da equipe, outro espanhol Pedro de La Rosa. De La Rosa ficou famoso por pagar U$$ 25 milhões para entrar - prática comum na categoria - na escuderia e substituir Juan Pablo Montoya em 2006. Outros pilotos cotados para substituir Heikki Kovalainen são Mark Weber e Sebatian Vettel, ambos da escuderia Red Bull.




Outro que pode entrar na dança é Nelsinho Piquet (de macacão)

Outro que não fez uma boa temporada em 2008 - quase foi substituído no mesmo ano - é o brasileiro Nelsinho Piquet. Filho do tricampeão mundial de F-1, Nelsinho Piquet chegou ao final de metade das corridas em 2008. Espera-se que em 2009, o brasileiro ao menos deixe o carro inteiro.




À espera de um milagre


Os testes das últimas semanas mostraram Rubens Barrichello e a Brawn GP - substituta da Honda - como fortes candidato ao título de pilotos e construtores, a Ferrari de Kimi Räikkönen e Felipe Massa devem dar trabalho, assim como a Renaul de Alonso e Giancarlo Fisichella. Quem sofreu até o momento foi Lewis Hamilton e a McLaren, ainda não consiguiram se adaptar ao novo sistema de recuperação de energia cinética, o KERS (Kinetic Energy Recovery System), ele irá reaproveitar a energia gerada nas frenagens (antes dissipada na forma de calor) e a armazenará em duas baterias. O KERS proporcionará aproximadamente 80 cavalos de potência a mais por pouco menos de 7 segundos por volta, bastando o piloto apertar um botão no volante. Além do retorno dos pneus lisos, sem sulcos, dando mais velocidade aos carros.

A temporada 2009 promete muita disputa, bem provável que a disputa não fique mais polarazida. Começa dia 29/03 no GP da Austrália às 4 da manhã, com transmissão pela Globo e se tudo der certo sem a narração do Galvão Bueno.

Mar. 11th, 2009

Mundanos

Causos de um paulistano no ônibus



Inaugarando uma série nova no blog, espero que os meus três leitores gostem




Ontem por volta das 23hrs estava voltando de ônibus. Subi no "famoso" 675-L Santo Amaro-Santa Cruz, famoso por sempre ter confusão, seja na fila ou dentro do ônibus.

Estava seguindo tranquilo em minha viagem, o transporte estava extramente lotado e eu ia a vagar, pensando nos problemas, soluções e sonhos de minha vida... Quando uma bela moça, esbelta, cabelo loiro como o sol não parava de olhar para este que vos escreve. Nunca fui um Don Juan, e nunca atrai grandes olhares do sexo oposto, apenas quando queriam ou algo ou quando fiz algo de errado.

A menina não parava de olhar, me encarando ou como diria um amigo escaneando de cima em baixo, conversa uma colega sua que estava no banco a sua frente e olhava de nova. Eu estava com uma camisa laranja da seleção holandesa e ainda utilizo aliança de compromisso no dedo, logo meu rosto ficou da cor da camisa de acordo com a encabulação de tal fato. Ela, usava uma calça verde escura delineando suas curvas - não era dessas apertadas, era uma calça normal -, uma túnica branca provavelmente para lhe refrescar devido o calor diário pleo que passa a cidade e uma encharpe verde para dar mais charme aos seus olhos verdes, eles estavam atrás de um óculos lilás mostrando seu estilo ousado e diferente.

Pelo material que ela carregava também voltava da faculdade, provavelmente de moda, publicidade ou artes - ela levava um tubo e uma pasta A3 - ainda assim ela não parava de olhar, olhava inclusive pelo reflexo do vidro e eu pensava "Deuses, será que ela não viu a aliança!?".

Por fim chega meu ponto, sinto-me aliviado de tanto "olhar 43" e quando começo a mover pela muvuca de pessoas ao meu redor eu percebo...estava pisando no pé da menina, bem em cima de seu dedão. Imagino a dor que ela sentiu durantes uns 15 minutos de passeio neste ônibus pouco ortopédico. O mais engraçado é que em nenhum momento ela fez cara de dor ou de raiva por eu estar por cima de seu pé, foi quando minha cara ficou colorada, como a camisa do Internacional de Porto Alegre.

Como tudo nessa vida é causa & efeito, na saída do ônibus uma senhora pisou no meu calcanhar, de cima para baixo. A dor foi tremenda, mas nem reclamei em consideração a bela e brava loira que continuo em sua intrépida viagem.



Mundanos

Bafta premia os melhores do videogame em 2009


Premiação inglesa desafia o bom senso dos jogadores



A Academia Britânica de Filmes, Televisão e Artes, BAFTA, revelou ontem os ganhadores do ano 2008-2009 na área de Video Game. Esta é a terceira edição do BAFTA dedicada ao ramo de Games e em apenas três anos obteve o mesmo prestígio de sua famosa versão para o cinema, sendo considerada uma das principais premiações.

A premiação da noite passada foi sem dúvida alguma um grande sucesso, o ingresso para a premiação na principal casa de ópera de Londres - a Royal Opera House - era o mais disputado na cidade de Londres e os programadores, desenvolvedores, roteiristas, diretores, dubladores e outras pessoas do meio, tiveram sua noite de Oscar.

Os Games são considerados por muitos como a "oitava arte", seu mercado é global com U$$ 60 bilhões em arrecadação, ultrapassando o cinema em dois bilhões. Porém, assim como o cinema o lado comercial dos jogos eletrônicos torna-se cada vez mais forte. Jogos que foram grandes atrativos no ano passado como Metal Gear Solid 4 (PS3) e Gears of War 2 (XBOX 360) não tiveram grande destaque na disputa e não arremataram nenhum face, como é conhecida a premiação. Jogos de pouco conhecimento - ou agrado - ganharam prêmios como Fable II, Boom Blox, Professor Laton and The Curious Village e Spore, Little Big Planet deixaram para trás outros grandes nomes ramo com Grand Theft Auto 4, God Of War, Assasins Creed, Rock Band, The Legend of Zelda, Prince of Persia e Fallout 3.

O destaque negativo da noite foi a escolha do azarão Super Mario Galaxy como melhor jogo do ano, o jogo é sem dúvida alguma o menos empolgante entre todos que estavam na disputa e é considerado um dos piores em seu console, o Nintendo Wii. No espaço para comentários no site do Bafta, um inglês de nome Nick diz "Eu não acredito que Super Mario Galaxy ganhou como melhor jogo do ano" e continua "ninguém que eu conheço comprou esse jogo".

Nem tudo ficou perdido no BAFTA, entre os destaques positivos podemos ressaltar Call Of Duty 4: Modern Warfare(PC) como o grande vencedor da noite, o jogo da Activision levou para casa os prêmios de melhor jogabilidade e história & personagem, Left 4 Dead (PC) ganhou como melhor jogo com múltiplos jogadores, na categoria esportes ganhou o simulador de corrida Grid (PS3) e como roteiro original a vitória foi de Dead Space, desbancando os favorito Metal Gear Solid 4 e Call of Duty 4.

Veja a lista com os principais vencedores da edição 2009 do BAFTA Games


É gritante a opção da Nintendo e da EA de colocar seus jogos de pouco estímulo no público para disputar nas principais categorias dos games, e no mínimo preocupante a escolha de títulos desse gênero. Fica o aviso, se continuar assim Eletronics Arts e Nintendo serão conhecidas como Miramax e Disney das premiações de videogames.


Vídeo (acima) destaca as principais premiações da noite

Mar. 9th, 2009

Mundanos

Perfis falsos no Twitter fazem a alegria na rede


Outro dia eu vi no www.idg.com.br uma relação de perfis falsos no Twitter, mas era só de estrangeiros. Farei aqui uma relação de alguns brasileiros conhecidos, cinco falsos e cinco verdadeiros:

Falsos

1- Milton Neves - http://twitter.com/miltonneves - O rei do Merchan ataca também no Twitter.

2 - Galvão Bueno - http://twitter.com/galvaobueno - Agora com o eterno R9 de volta Galvão escreverá direto o RRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRONALDO. Além do famoso "haja coração"...

3 - Roberto Carlos - http://twitter.com/robertocarlosbr - O Rei também está no Twitter e esbanja simpatia ao utilizar suas gírias modernosas como Brasa Mora e Broto

4 - Hebe Camargo - http://twitter.com/hebecamargo - A dona da noite de Silvio Santos avisa que estará na Campus Party

5 - Pelé - http://twitter.com/pele - O nosso outro Rei escreve em inglês, e pelas mensagens que deixa em seu profile ele acompanha é muito o Premier League inglesa.


Verdadeiros

1 - Aécio Neves - http://twitter.com/aecionevesmg - O simpático governador mineiro e presidenciável do tucanato deixa suas mensagens de vez em quando no twitter, com a ajuda de seus assessores;

2 - Marcelo Tas - http://twitter.com/marcelotas - Assim como toda sua trupe do CQC , Marcelo Tas dá sua twittadas com frequência e é um dos mais conhecidos na red

3 - Mari Moon - http://twitter.com/marimoon - A apresentadora da MTV - que na verdade é um cosplay -
escreve diariamente em seu perfil no Twitter

4 - Soninha Francine - http://twitter.com/SoninhaFrancine - A ex-vereadora e atual sub-prefeita da Lapa aparece constatemente no Twitter, lá ela fala de seu dia-a-dia e as dificuldades de seu novo cargo

5 - César Maia - http://twitter.com/ExBlogCesarMaia - Após fazer sucesso com blog e mailing, o ex-prefeito do Rio de Janeiro ataca agora pelo Twitter. É constante sua crítica com o atual prefeito Eduardo Paes.

Admito que é divertido caçar profiles fakes e verdadeiros, aconselho pra quem não tiver fazendo nada numa tarde como eu faço hoje que se entretenha no twitter atrás deles. Eu, um budista, achei até Deus  no Twitter - http://twitter.com/OCriador -, e olha que tem gente procurando-o a vida inteira!

Mundanos

A Saga de John Neschling


Finale

John Neschling e a OSESP seguem em caminhos diferentes, o mestre desvinculou-se da obra. 

O maestro francês Yan Pascal Tortelier assume a OSESP finalizando a hegemonia de Neschling nos últimos doze anos e ficará no cargo até meados de 2010. John Neschling não deve voltar aos palcos brasileiros tão cedo, seu destino será o leste europeu ou a América do Norte, e se reger alguma orquestra brasileira será apenas como convidado.

O maestro francês Yan Pascal Tortelier

Tortelier regeu a OSESP seis vezes ano passado e estreou na última quinta-feira (05/03) como regente principal - leia crítica do concerto abaixo - esclareceremos uma coisa, regente principal não é regente titular, Tortelier apenas conduzirá mais que os outros convidados e tem liberdade para escolhar as peças. As músicas escolhidas no concerto foram a Sinfonia Nº2 em Mi Menor de Sergei Rachmaninov, As Variações Enigma de Edwaard Elgar e de abertura Hino Nacional Brasileiro de Francisco Manoel da Silva, essas peças substituiram a cantata Paulus escolhida por Neschling, uma homenagem prestada aos 200 anos de vida que o autor da obra o compositor Felix Mendelssohn completaria esse ano. 

Outras substituições além dessas foram feitas na temporada 2009, principalmente na música brasileira. 

Até 2010 a Direção Artística da Fundação OSESP ficará a cargo do norte-americano Henry Fogel (ex-presidente da Liga de Orquestras Americanas) e do inglês Timothy Walker (ex-diretor artístico da Filarmônica de Londres), eles também seram responsáveis pelo metódo de escolha do novo diretor artístico e regente da titular da orquestra, é grantido que um cargo será distinto do outro, ou seja, diferente da era Neschling quando o maestro acumulava as duas funções agora haverá uma pessoa para cada cargo.

Além de Tortelier outros maestros como os brasileiros Fábio Mechetti e Isaac Karabtchevsky foram chamados para cobrir a lacuna deixada por Neschling na temporada 2009. A demissão do maestro John Neschling impactou profundamente na comunidade musical brasileira, considerado pelos músicos uma benção - prova disso foi a harmonia entre Tortelier e a orquestra logo de cara - pelos diversos fatores apresentados anteriormente, para os ouvintes e apreciadores da orquestra foi uma tragédia, sendo que alguns até cancelaram sua assinatura - embora foi recorde de vendas de assinatura e captação de recursos e patrocínio esse ano. 

Depois da tempestade...

A Fundação OSESP foi completamente equívocada. Neschling deveria ficar no cargo até 2010, para manter o status alcançado pela OSESP com os patrocinadores e com o público nacional e estrangeiro. O ato da demissão foi precoce da parte de FHC e seus conselheiros, a imagem que ficou foi o amadorismo na música brasileira, o desrespeito com o público e falta de latência no cumprimento de seus contratos.

Acredito que FHC pensava em Neschling como um de seus ministros, podendo fazer a qualquer reformas ministeiriais até achar o ponto ideal como correu em seu governo. A diferença é que FHC, Serra e o conselho pensavam e confundem cargo político com cargo público - não estou para ser a voz do funcionalismo público - o cargo de maestro/diretor artístico é um cargo público, sua função era ficar até o fim de seu contrato, ago que foi interrompido bruscamente, mostrando o cenário musical brasileiro como algo incapaz e inseguro, igual ao governo FHC.

Para piorar a situação, John Neschling ameaça entrar na justiça caso não receba devidamente sua recisão.

Se FHC e companhia erraram na demissão de Neschling, acertaram na contratação de Yan Pascal Tortelier, o maestro francês tem vasta experiência em orquestra de ponta como a BBC de Londres e a Sinfônica de Pittsburg. Se o medo do projeto de Covas e Neschling era ir por água abaixo, com a presença de Tortelier ele foi afastado e fluirá normalmente até 2010. O único receio é o desconhecimento do maestro com a música brasileiro - algo que o próprio francês admite - embora ele prometeu estudar algo para 2010.

Henry Fogel e Timothy Walker deram sua primeira cabeçada na parede, eles escolheram um regente inexperiente, que nunca regeu e não conhece a orquestra para regê-la em uma turnê nos EUA. O norte-americano Kazem Abdullah (29) foi escolhido pelos consultores artísticos para reger a OSESP em 18 cidades daquele país, a indicação veio através de Tim Fox, um "agente artístico" da CAMI, uma agência de cultura que administra carreira de maestro e solistas, como acontece no cinema. Só pra registrar: Tim Fox e a CAMI são responsaveis pela turnê e pela carreira do jovem regente.

O jovem regente Kazem Abdullah

Agora faço levanto algumas questões:

1-) Se os dois consultores não tem capacidade de escolher um nome para reger a orquestra numa turnê por que usar conselho de um agente e por que eles continuam no cargo?

2-) Por que não levantou com outras agências?

3-) Como um regente que esperou quatro anos para reger no Metropolitan Opera House de NY, praticamente começou a reger ontem - antes seguia a carreira de clarinetista - pode reger a principal orquestra do Brasil sem sequer conhecer seu trabalho? Lembrando que sua elogiada critica forma duas linhas no New York Times e o fato dele ser jovem não distingüe sua experiência e qualidade musical, Gustavo Dudamel regia  turnês desde seus 17 anos.

4-) Até onde Tim Fox e a CAMI tem influência nas escolhas da OSESP?

5-) Levantaram apenas o nome de Tortelier e de Kazem, por quê não um regente nacional ou caso seja estrageiro de ponta, como aqueles que fazem parte do casting da CAMI?

Em suma, a presença do jovem Kazem Abdullah no púpito da OSESP agradará apenas a sua família e seu agente.

Yan Pascal Tortelier fica - até segunda ordem - na orquestra até 2010, porém ele sempre foi elegoiado nos cargos e orquestra onde regeu, sempre com cordialidade e simpatia dos músicos e do público, alguns estão crentes que Tortelier ficará no cargo além de 2010 e assumirá como regente titular. Outros veem Tortelier como um maestro "tampão", e que ele sairá em 2010 dando espaço para um grande nome da música mundial, ou mesmo um brasileiro.

Obs: Prometo até o fim do mês apresentar a proposta de alguns regentes que assumiriam o cargo na OSESP, inclusive aqueles que foram cogitados a esmo.

A estréia de Tortelier

Em concerto transmitido pela TV Cultura pude ver a estréia de Yan Pascal Tortelier a frente da OSESP na quinta-feira (05/03). Não menos importante que a volta de Ronaldo ao futebol, a presença de Yan Pascal Tortelier é um marco na OSESP e na música mundial, pela primeira a OSESP tem como regente principal alguém que foi diretor de duas grandes orquestras mundias a Sinfônica de Pittsburg e a BBC Sinfônica de Londres. 

O respeitado maestro começou o concerto com o Hino Nacional Brasileiro, a tensão e expectativa era grande entre o público e o maestro, porém no palco a orquestra estava tranqüila. Tortelier, que é conhecido por não utilizar tantos gestos ao conduzir a orquestra exagerou nos movimentos com as mãos na primeira obra da noite, usou em demasia os movimentos de marcha, provavelmente confundiu-se com "La Marselleise" o famigerado hino nacional francês. Por várias pareceu que o maestro estava perdido, mas conseguiu terminar normalmente, embora não tirou toda capacidade da orquestra.


Veja Tortelier regendo hino nacional brasileiro

Na segunda obra da noite, as Variações: Enigma de Edward Elgar, uma obra pouco conhecida do público brasileiro e sem muitas gravações, Bernstein tentou gravar com a BBC na década de 70, como não conhecia a orquestra e a obra - além de voar de NY a Lonbdres e não dormir - a gravação foi um fiasco e é considerada uma das piores gravações do ramo. Em Elgar,  Tortelier começou a sintonizar-se um pouco mais com o conjunto, já com os poucos movimentos com as mãos e usando contato com os olhos e o rosto que o consagraram em sua passagem por Londres e Pittsburg. Embora, seus movimentos estavam um pouco mecanizados, como ocorreu no segundo e no quinto movimento.

Na última parte da noite o francês conduziu a segunda sinfonia de Rachmaninov em Mi Menor, a OSESP executou essa obra em sua última turnê na Europa. Com a orquestra conhecendo muito bem a obra de Rachmaninov, Tortelier sentiu-se à vontade e pode tirar toda a qualidade do conjunto, destaque para as cordas e as madeiras ao encaixarem bem suas dinâmicas e harmonia em pontos primórdias da música como no final do primeiro movimento e no começo do segundo.

Após o fim da peça, Tortelier foi aplaudido e voltou três ao palco, sendo aprovado pelo público e pela orquestra. O trabalho do filho de Paul Tortelier, grande violoncelista do século XX ainda está engatinhando, há muito trabalho a ser feito, como quebrar algumas barreiras deixadas por Neschling entre os músicos, como ganhar sua confiança, algo que deu pra notar em alguns naipes da orquestra.

Mar. 7th, 2009

Mundanos

A Saga de John Neschling continua


Atto Tercero


O último ato de John Neschling e sua batuta sob o comando da OSESP começa com a asecensão de José Serra na política executiva paulista.


Serra quando prefeito de SP convidou Neschling e a OSESP para se apresentarem na Virada Cultural, o maestro negou o pedido do prefeito tucano, alegando falta de estrutura no evento. A Virada Cultural tenta substituir outro grande evento da vida cultural de SP, o aniversário da capital.  Na administração de Marta Suplicy o aniversário de SP era sempre motivo de grandes júbilos, inclusive os 450 anos de aniversário da cidade ocorreram durante a administração da prefeita, com grande apoio da população e da mídia.



As divergências entre Serra e Neschling começaram quando o atual governador de SP ainda era prefeito.

Com o intuito de passar a borracha em Marta, José Serra trouxe as "Noites Brancas" de Paris e de o nome de Virada Cultural, a presença da melhor orquestra do Hemisfério Sul  e de seu maestro titular seria a cereja no bolo, Neschling não só tirou a cereja como enfiou a cara de Serra e seu secretário de cultura João Sayad, no bolo.

Até hoje a Virada Cultural não faz sombra ao Aniversário de SP, talvez por ter colocado a cidade no mapa da cultura mundial há sessenta anos atrás, por não ter o mesmo prestígio ou pelo fato de Serra/Kassab terem deixado de lado as festividades...Isso é assunto pra outra hora.

Dois anos após o episódio Serra tornou-se governador do estado de SP e levou João Sayad para a secretária de cultura estadual. Nesse meio tempo a Fundação OSESP saiu do papel e nomes como Fernando Henrique Cardoso, Alberto Dines, Pedro Malan e Pedro Moreira Salles aceitaram fazer parte de seu conselho. José Serra guradou seu rancor com o maestro, tanto que segundo a coluna de Mônica Bergamo reclamava com frequência das regalias e luxo do mandatário orquestral, como viajar só de primeira-classe - enquanto o resto da orquestra viaja na econômica -, hospedava-se em hotéis de quatro estrelas e lógico o seu alto salário. Os avisos do Palácio dos Banderantes vinham através da secretária de cultura - ao lado da OSESP -, frases como " para ou vai cair feio" foram utilizadas na imprensa para expor o desejo de José Serra.

Os golpes finais não vieram de José Serra, em 27 de Outubro de 2007 foi divulgado no You Tube um vídeo do maestro criticando o governador Serra durante um ensaio da orquestra, Neschling chamou Serra de "menino mimado e autoritário". O vídeo foi atribuído a ala dos músicos descontentes do conjunto orquestral. Após o vídeo as pressões sobre o maestro aumentaram e no início de 2008 o maestro revelou que não continuaria no comando da OSESP ao não renovar seu contrato, terminando sua participação na OSESP em 2010 após a turnê européia.



O vídeo foi nomeado de "Os últimos compasso de um maestro" e são usadas expressões como "o peixe morre pela boca".


Diversos nomes surgiram após a revelação de Neschling, Ronald Zollman, Frank Shipway, Mario Vengazo, Yan Pascal Tortelier, Daniel Barenboim e claro Roberto Minczuk eram os nomes mais cotados. Mas, a Fundação OSESP não se manisfestou ou apresentou alguma transiçãoem seu comando artístico, apenas dois consultores foram contratados para "estudar" a troca. Mas, se todos pensavam que John Neschling sairia sem disparar seus últimos golpes estão enganados, ele deu entrevistas ferrenhas criticando a atitude do Estado e a Fundação com o futuro da OSESP, uma dessas entrevista seria o golpe fatal que destronaria Neschling do púpito.

A fatídica entrevista de John Neschling ao jornal o Estado de SP em 9 de Dezembro passado foi o pretexto para sua saída, nela criticou a atuação da fundação em sua transição, os consultores e o seu receio com sobre o futuro do projeto. O conselho da fundação esperou passar o concerto da EuroArts e Neschling viajar para articular sua saída, na noite de 22 de Janeiro foi divulgado o comunicado oficial. O maestro estava na Grécia prestes a reger orquestra nacional daquele país quando recebeu a notícia por e-mail, segundo a Fundação OSESP ele foi demitido por telefone quando estava em sua residência na Suiça - no fundo não sei o que é pior!

John Neschling deu entrevistas muitos mais ferrenhas durante o ano passado, disse em uma delas que deixaria a orquestra "nos píncaros da glória" após os últimos dois concertos da turnê em Berlim e Viena, centro da música clássica mundial. Acabou saindo através de um e-mail, sem direito de se despedir.

Veja amanhã a última parte da saga de John Neschling e o futuro da OSESP.


Mar. 5th, 2009

Mundanos

A Saga de John Neschling



Atto Secondo

A tensão entre Neschling e Mincuk aumentou no final de 2004, sem o apoio de Covas e Marcos Mendonça - que largara a Secretária de Cultura para assumir a Fundanção Padre Anchieta - o diretor artístico da OSESP viu-se acuado, com Cláudia Costin querendo sua cabeça.

Segundo a coluna de Daniel Piza do Estadão no começo de 2005, Minczuk acertou com a Secretária Costin seus encargos a sua participação e quando substituiria seu chefe no comando da orquestra. Decepcionado, John Neschling pediu a retratação de seu pupilo através de uma coletiva de imprensa, Minczuk enviou uma carta afirmando que o acordo não existia e apoiava o trabalho de seu mestre. A carta não foi suficiente para estabilizar a relação entre os dois, e MInczuk foi demitido durante o intervalo da apresentação da obra de Bach, a Paixão de São Mateus. Desde então, Neschling e Minczuk cortaram relações.

O Concurso de Piano Villa-Lobos trouxe à imprensa todo o mal estar dos bastidores da OSESP, na ocasião pelo israelense Ilan Rechtman - um dos principais colaboradores da OSESP, em questões cameríticas e de pianos - como nas compras dos novos pianos da orquestra em Nova Iorque, Neschling enviou Rechtman para a capital mundial da cultura de consumo e adquirir três os instrumentos. Ilan Rechtman tinha a total confiança do maestro e foi escolhido como presidente do júri no concurso, porém foi exonerado de suas funções junto a OSESP.

O pianista israelense Ilan Rechtman

Em sua saída o pianista acusou John Neschling de favorecimento aos concorrentes brasileiros e de não dividir os créditos pela música tema do programa Roda Viva da TV Cultura - a música foi retirada do programa no começo de 2008 e voltou com um arranjo da música de nome homônimo, sob a autoria Chico Buarque - o maestro rebatou as acusações de seu ex-consigliere e afirmando que a demissão de Rechtman era pelas alterações de notas dos concorrentes dadas por membros da comissão julgadora. O caso alcançou a mídia no exterior e o concurso perdeu diversos jurados com receiro de anexar seu nome a um concurso manipulado.

Ilan Rechtman não parou com as acusações... Em entrevista à Folha de São Paulo, disse que Neschling não tinha capacidade administrativa, pois a OSESP recebia o montante similar de orquestras internacionais de renome - os famosos U$$ 50 mi - e os seus músicos não recebiam salário compatível - entre dez e doze mil reais -, acusou Neschling de contratar maestro de pouco renome através de seu agente, sua capacidade artística levantando seu histórico no Teatro Massimo, Ópera de Bordeaux e na Orquestra de St. Gallen, e as constantes ameaças de demissões aos músicos e funcionários e imposição aos músicos que assinem papel em branco.

John Neschling respondeu demonstrando o e-mail de Rechtman onde fez mea culpa sobre as alterações nas notas dos jurados, tal e-mail seria mais que motivo para a demissão. A violoncelista israelense e esposa de Rechtman, Íris Regev, foi demitida da OSESP, ambos foram para o Rio de Janeiro e a musicista atualmente faz parte da OSB.

Vale lembrar que o ganhador do Concurso de Piano Villa-Lobos foi um chinês, Chun Wang (foto abaixo).

Mar. 4th, 2009

Mundanos

A Saga de John Neschling


Atto Primo

Com o comando total da OSESP, John Neschling começa a reformulação do conjunto. Dispensa músicos e instrui o Estado na formação de uma nova orquestra estatal, a Orquestra de Rádio e Televisão Cultura, a ORTC durou até meados de 2005, quando foi desmantelada pelo Estado por falta de verbas.

A realocação dos músicos mais antigos abriu espaço para Neschling trazer sangue novo. O violinista Claúdio Cruz e o trompista/maestro Roberto Minczuk são os primeiros convocados pelo regente para ajudá-lo na reformulação do grupo e assumem postos de confiança, respectivamente spalla (primeiro violinista da orquestra) e regente assistente. As vagas para os quadros da orquestra são abertas, com Minczuk, Cruz e Neschling buscando músicos em terras estrangeiras.

Para atrair os estrangeiros e repatriar alguns brasileiros a OSESP aumentou sua remuneração, o teto para um músico de última estante - espécie de músico iniciante - passou de dois mil para sete mil reais. Em questão de dois anos Neschling transformou a orquestra semi-profissional em um conjunto de primeiro nível, capaz de apresentar qualquer repertório sinfônico, camerístico e de ópera, além de realizar turnês de sucesso na Europa e EUA.










Roberto Minczuk (a esquerda) e seu mestre John Neschling (a direita)

Intermezzo

O trabalho de Neschling seria um sucesso, exceto pelo seu temperamento. Por discordância - ou divergência - o maestro demitiu funcionários e sete músicos em meados de 2002, inclusive alguns dos músicos tinham em seu curriculum orquestras como a Filarmônica de Berlim. As discussões sobre o salário de Neschling - cerca de R$ 100 mil - e a ascensão de seu assistente principal, Roberto Minczuk, primeiro nos EUA como regente assistente da Filarmônica de NY e como diretor artístico do Festival de Inverno de Campos de Jordão, demonstraria a posição do mandatáio da OSESP era ameaçada, e Minczuk seria seu principal sucessor.

Previous 10